A batalha digital entre Donald Trump e Hillary Clinton

  • Home
  • Notícias
  • A batalha digital entre Donald Trump e Hillary Clinton

A batalha digital entre Donald Trump e Hillary Clinton


 

Na ferramenta “Email for President” é possível visualizar tendências que moldaram a eleição presidencial de 2016 nos Estados Unidos


 

 

A eleição presidencial de 2016 dos Estados Unidos foi diferente de qualquer outra que o mundo já viu. Para entender qual é a realidade da disputa no ambiente do e-mail, a Return Path criou o site Email for President, que evidencia o importante papel das mensagens eletrônicas no desempenho das campanhas dos principais candidatos à presidência: Donald Trump e Hillary Clinton.

Ao longo do ciclo eleitoral, o site gerou comparações diretas entre os programas de e-mail dos rivais, revelando insights únicos sobre seu desempenho diante dos potenciais eleitores.

A análise foi realizada com base em dados de mais de 2,5 milhões de caixas de entrada de usuários, durante os meses que antecederam a eleição, que acontece no dia 8 de novembro. Desse estudo, é possível extrair quatro valiosas lições sobre o papel do e-mail:

1. Tenha uma lista legítima para não estressar destinatários – Hillary Clinton iniciou a campanha virtual com uma clara vantagem sobre o adversário no tamanho da lista de e-mail. A diferença devia-se ao fato de que ele iniciou a base de dados do zero, enquanto ela cultivava o seu banco de endereços eletrônicos há anos, sempre dentro do cenário político.

Recentemente, porém, a situação se inverteu. Trump chegou a ter uma lista de e-mails 20% superior, vantagem que hoje é de 9%. O problema é que para alcançar essa superioridade, aparentemente, Donald comprou um mailing, no qual é possível que muitos destinatários não tenham interesse em receber suas mensagens.

De acordo com a provedora, a prática não é recomendável porque tende a gerar baixa taxa de abertura e/ou aumento da classificação de mensagens como spam pelos destinatários, comprometendo tanto a reputação do remetente diante dos provedores, quanto a entrega na caixa de entrada das pessoas que realmente gostariam de receber o e-mail.

2. Cair no spam é sinônimo de perda de oportunidades de negócios – Na tentativa de angariar fundos para a campanha por meio de uma ação virtual intitulada “The First One”, Trump foi prejudicado pelos filtros de spam. Na ocasião, seu acesso à caixa de entrada dos eleitores foi de cerca de 35%.

A análise da Return Path mostra que o e-mail de angariação de recursos foi enviado de um novo domínio não testado e não reconhecido como remetente legítimo. Embora a equipe de Donald tenha afirmado que a campanha arrecadou US$ 40 milhões em duas semanas, esse total poderia ter sido muito maior.

3. Não perca a credibilidade diante dos provedores – No início da campanha, os destinatários de Trump mostraram-se altamente receptivos, o que fez com que o candidato sempre vencesse a adversária Hillary nas taxas de abertura de e-mail.

No entanto, Donald viu sua vantagem cair significativamente nesse quesito após a falta de planejamento na campanha de angariação de fundos, e não conseguiu mais se recuperar completamente. No final de outubro, sua taxa de abertura era de 12%, contra 18% da adversária. Ambos estavam acima da média da indústria (11%).

4. Vale a pena investir tempo e dinheiro em boas práticas – A adesão da equipe de Clinton às melhores práticas no uso do e-mail rendeu resultados positivos à candidata no processo de acesso aos eleitores.

Toda a campanha eletrônica de Hillary é disparada a partir de um único domínio certificado, com taxa de entregabilidade de 96% e quase nenhuma reclamação de spam por parte dos destinatários. O sucesso no acesso à caixa de entrada deve-se à preocupação com a segmentação das campanhas de acordo com os interesses de quem as recebem, além da realização de rigorosos testes. Já a campanha de Trump, disparada de diferentes domínios, registrou taxa de reclamação de até 20% nas últimas semanas.

“Apesar dos variados canais de comunicação disponíveis, o e-mail continua sendo um dos meios mais eficientes de acesso, no caso, aos eleitores e assim angariar votos”, disse Tom Sather, diretor sênior de pesquisa da Return Path. “Como vimos nos dados extraídos do site “Email for President”, um programa bem-sucedido de e-mail pode manter a máquina de campanha acelerada, enquanto os erros de e-mail tendem a ser incrivelmente prejudiciais”.

O site Email for President é uma pequena amostra do funcionamento interno de um programa de e-mail. Com as soluções adequadas, é possível que os profissionais de marketing obtenham insights que vão além de simples acessos e cliques, para garantir que cada e-mail atinja seu destino pretendido, entregando uma mensagem relevante e maximizando o ROI.

About IDGNow (Author)

Fonte: <a href="http://idgnow.com.br/internet/2016/11/08/a-batalha-digital-entre-donald-trump-e-hillary-clinton/">http://idgnow.com.br/internet/2016/11/08/a-batalha-digital-entre-donald-trump-e-hillary-clinton/</a>

Leave A Comment

Style Switcher

Predefined Colors

"Tecnologia e Segurança" Infotec atendimento@infotecbr.com
Matriz: Tianguá - CE
Rua Madalena Nunes, 205

Skype: infotecltda

Fale conosco:
Enviar
%d blogueiros gostam disto: